História #41 – Os meus pais

A minha história não seria a minha história se não fosse pelos meus pais. José Lauro e Maria Stela.

Eu virei o que eu virei por causa da educação e do amor que eu recebi dos meus pais.

Nem mais nem menos.

Eu gosto de ajudar as pessoas porque eu cresci vendo eles ajudando as pessoas. Seja organizando encontros de casais na igreja que eles frequentavam, ou cantando no coral das missas de domingo, ou trabalhando na quermesse, ou sendo síndico do prédio.

Eu trabalho com internet desde sempre porque eu cresci com computador dentro de casa. Meu pai era gerente de sistemas de mainframes. Em casa sempre teve revistas sobre computadores, negócios e impressões feitas pelos grandes computadores. O meu pai nunca assinou a porcaria da revista veja ou a droga da revista exame. Em casa sempre teve Harvard Business Review, BusinessWeek e Futurist.

Eu estava do lado do meu pai quando eu entrei na internet pela primeira vez. Ele conseguiu um acesso à internet através do Instituto iBase do governo. Naquela época NINGUÉM tinha acesso à internet no Brasil. O meu pai trouxe a internet para dentro da nossa casa ANTES do UOL surgir no Brasil.

A primeira coisa que eu fiz quando eu entrei na internet foi pesquisar a palavra STAR WARS. Foi o máximo!

Eu adoro ensinar as pessoas porque a minha mãe é professora. Inclusive ela é uma excelente professora. Do mesmo jeito que eu tenho um jeito todo especial para palestrar, ela tem um jeito todo especial para ensinar matemática e português para a criançada.

A minha mãe poderia estar milionária se ela tivesse um canal no You Tube para ensinar os truques de matemática que ela tanto conhece para as crianças que têm dificuldade para assimilar matemática e português – tipo “Vovó Stela Ensina Matemática” – mas…, ela prefere ficar assistindo Netflix com o meu pai todas as noites ao invés de fazer vídeos para o You Tube. 🙂

Eu gosto de ler porque em casa sempre teve livros. O programa de sexta-feira à noite da minha família era ir na livraria Siciliano do Shopping Iguatemi folhear revistas importadas. Eu cresci vendo os meus pais lendo livros na sala de jantar enquanto eu assistia filmes americanos na televisão. Todas as semanas a vendedora do Círculo do Livro passava em casa para vender uns livros novos para os meus pais. Foi ela quem vendeu os 80 livros da Agatha Christie que eu devorei quando era criança. A vendedora do Círculo do Livro teve um impacto maior do que ela imagina na minha vida. Mas isso eu vou deixar para contar para vocês quando eu falar da criação do Catálogo da Brasoftware.

Você vai virar os seus pais.

Não tenha dúvidas.

Cedo ou tarde.

Eu vejo isso agora claramente com os meus filhos quando eu percebo que eles estão se tornando quem eu sou. Mesmo não querendo ou não percebendo.

Recentemente eu tive a oportunidade de fazer uma palestra no WALKING TOGETHER em Guaxupé. O meu pai nasceu em Guaxupé. Quando me chamaram para palestrar em Guaxupé eu não tive dúvidas. Eu convidei os meus pais para irem junto comigo. Fazia décadas que o meu pai não visitava Guaxupé. No caminho para Guaxupé eles me contaram como se conheceram.

Foi em uma festa que a minha mãe quase não foi e o meu pai quase furou. Para eles se conhecerem 23 estrelas tiveram que se alinhar. Para me criar outras 468.

Se eu tivesse passado a minha infância trancado em um calabouço a base de mingau, eu teria que ser grato aos meus pais pela vida que eles me deram. A vida, a simples vida, essa coisa besta que a gente não dá muito valor, já é muita coisa.

Os meus pais ainda estão vivos. E em todos os EPICENTROS eu faço uma homenagem para eles na frente de todo mundo.

Eu espero que você tenha a oportunidade de fazer o mesmo. Homenagear os seus pais enquanto eles ainda estão vivos para ver.