4 lições de vendas do filme Bohemian Rhapsody.

E aí, galera… Beleza?! Aqui é o Ricardo Jordão!

O artigo de hoje é sobre o filme Bohemian Rhapsody, um filme sobre o Queen, sobre Freddie Mercury que é maravilhoso, você tem que assistir se ainda não assistiu.

Eu assisti na estreia com o meu filho e acabei chorando, meu filho também chorou. Porque é um filme que lembra muito a minha infância e várias coisas que aconteceram comigo.

Feliz sou eu que assisti o Queen com 8, 9, 10 anos de idade. Ajudou-me a chegar no Metallica. E o rock muda você, velho. Foi o Rock que fez a minha cabeça. Você acha que um carra como eu, que quer compartilhar tudo que sabe, acredita em generosidade, coragem e criatividade como fundamentos da vida, você acha que eu aprendi tudo isso no mundo nos negócios? Você acha que nos anos 80 tinha algum livro de negócios dizendo que o business mudaria o mundo? Não tinha, não, meu velho!

Não tinha nenhum livro sobre isso. Sabe onde foi que eu aprendi? Escutando rock! O rock que me ensinou a querer mudar o mundo, me fez ser como sou. Esse meu jeito de pensar, de falar, essas ideias fora da caixa, tudo veio do rock, não veio de livros de negócio.

E o Queen foi um dos primeiros, um dos precursores dessa minha mentalidade. Tudo isso de vamos ser corajosos, diferentes, mudar o mundo, dar a cara para bater! E é possível ver muito isso no filme.

Por isso, veja as lições que pude notar no filme Bohemian Rhapsody, inclusive essa é uma das  melhores músicas de todos os tempos. Confira:

1- Você está no negócio de chamar atenção!

Logo na primeira parte do filme (vou dar spoiler mesmo, afinal, é a história real do cara, tá na Wikipédia, todo mudo que gosta, conhece), acontece uma cena em que os 4 integrantes da banda vão se encontrar num café para conhecer o futuro produtor. O baterista, o guitarrista e o baixista foram todos arrumadinhos, engomadinhos – o baixista sempre com cara de “dentro da caixa”. O Freddie Mercury, pelo contrário, vai como uma louca, uma roupa extravagante, um óculos, um chapéu. Tudo isso para quê? Para se destacar, velho.

Estamos no negócio de chamar atenção. Você tem que ter coragem para se destacar da multidão. Se você for em um evento, se todo mundo vai de gravata, você tem que ir de camisa verde. Se você quer vender mais, você tem que chamar atenção. Você tem que ser bizarro, tem que ser diferente, velho.

Foi o que o Freddie Mercury fez, ele chamou atenção e teve coragem de responder ao empresário ao perguntar:

“O que faz o Queen ser tão diferente das outras bandas que têm por aí, tem tantas bandas de rock, porque contratar o Queen, o que vocês têm de diferente?”

O Freddie Mercury respondeu indo direto ao seu nicho. Ele disse:

“O nosso diferencial é que a gente faz música para aquelas pessoas que se sentam no fundo da sala de aula e ninguém presta atenção. É para os desajustados, rebeldes, revoltados aqueles malucos quem ninguém presta atenção, nossa música é para eles. Desajustados fazendo música para desajustados”.

O empresário contratou eles. Definiu o nicho e chamou atenção. Enquanto você não definir um nicho, você não vai crescer. Se você só fala da sua empresa e não conhece o cliente de forma profunda, não sabe quis são as dores do cara, você não vai conseguir vender.

Além de conhecer bem o produto que você vende, agora você tem que também conhecer quem é o seu cliente que vai comprar. Porque nunca houve tantos concorrentes, se você não nichar, se não focar no cliente, você não vai vender.

Por isso, defina o seu nicho e se destaque da multidão.

2- Tem que ser completamente incrível

Na banda Queen, os quatro integrantes são incríveis. Vivemos numa cultura em que é comum ter aquele cara dentro da empresa, uma pessoa incrível que resolve toda a parada. Tudo depende dele. Como no futebol brasileiro, passa a bola para o Neymar, para ele fazer o gol, não tem preocupação com o time. O mais correto é focar na equipe, do que no galã específico. Então, se na tua empresa tem um folgado, metido a besta, que acha que resolve tudo, tira esse cara. Precisamos de pessoas que sabem priorizar o trabalho em equipe.

Você como gerente, como o cara que guia as pessoas, trabalhe e invista para ter uma equipe coesa, onde todos os integrantes são incríveis. Porque você vive em uma era em que todo produto e todo serviço que for ser entregue tem que ser fantástico. Os clientes não querem mais nada meia boca.

Se você faz uma palestra, o palestrante é incrível e a cadeira é uma droga, ferrou tudo, estraga tudo. E se a cadeira for incrível, o ar-condicionado é legal, mas o palestrante é uma droga, também ferrou tudo. Tem que ser tudo incrível. As pessoas estão mais exigentes.

E o Queen tem isso, os 4 são incríveis e fazem músicas autorais incríveis juntos.

3- A harmonia é feita de dissonância

E chega um momento em que o Freddy Mercury, que está na frente, é o vocalista, é um cara que chama atenção e faz boa parte das músicas (outra coisa legal: as músicas são feitas pelos 4), chega uma hora que os caras fazem uma proposta dele para ele “abandonar” os caras e gravar um disco solo.

É aquele momento em que sucesso sobe um pouco para a cabeça dele, ele sai do Queen, grava umas musiquinhas fora e tal, e ele volta para os caras e fala assim:

“Eu tive uma banda, encontrei outro baterista, outro baixista, outro guitarrista, eles eram bons, mas eles faziam o que eu pedia. E aí eu reparei que eu não entendo tanto assim de guitarra, de bateria, de baixo, porque, quando eles começaram a fazer tudo o que eu queria, não ficou bom. Eu estav com saudade desse conflito que cria coisas coisas criativas. Porque eu sou bom, mas sozinho eu não consigo fazer as paradas, não sou tão bom assim”.

Leve para tua empresa esse tipo de conflito. Eu sei que já tem, os caras brigam e tal, um querendo economizar, o outro querendo gastar, e aí você chega em um lugar comum.

O que não pode é esse cara querendo gastar, e não brincar mais porque esse cara quer investir. Tem que haver um acordo, um consenso, um meio-termo.

A criatividade é feita do caos, cara. O universo surgiu a partir do caos.

4 – É importante se reinventar

Tem muitas coisas que eu poderia falar, a própria música Bohemia Rhapsody é fantástica, se você não conhece as músicas vá conhecer, você vai perceber que as músicas do Queen são super diferentes, a cada criação nova eles tentaram se reinventar, nunca descansaram, nunca falaram:

“Esse é nosso estilo, vamos seguir isso aqui”.

Tentaram se reinventar, mesmo que perdesse fãs, ganharia fãs. As pessoas tentavam definir o Queen, eles falavam:

“A gente não faz parte de nenhuma vertente do rock, a gente é o Queen, e a gente inventa o tempo todo”.

Essa exploração das novas possibilidades levaram eles a não faturarem em um primeiro momento. A própria música Bohemia, quando foi lançada, os críticos detonaram, velho. E hoje ainda é uma das mais tocadas do mundo.

Levou tempo para pegar, mas eles nunca desistiram. Eles nunca pararam, nunca se frustraram com os feedbacks negativos, com os haters da vida. 

Esse mercado que a gente vive, de coisas novas o tempo todo, a gente tem um prazo para ganhar dinheiro realmente, se não está dando certo isso você tem que parar e tentar outra coisa, a gente tem que sair do lugar, tem que se reinventar, porque o mercado não aceita mais só a gente como é.

Então, vá assistir se você não assistiu, o filme é fantástico.

Rock! É o que fez a minha cabeça, é o que continua fazendo minha cabeça… Eu vou escrever outros artigos sobre isso, eu tenho várias histórias sobre o Rock que eu tenho que falar aqui.

Se você quer aprender mais comigo, quer estar junto, venha fazer meu curso, O Vendedor Rainmaker, se prepare para O Epicentro também, acontece ao final de todos os anos, você e sua equipe deveria vir.

Quando você terá a oportunidade de reservar 3 dias da sua vida para pensar o que você vai durante 365 dias (o próximo ano) e ainda conseguir um insights e feedbacks de várias pessoas diferentes e onde você vai conseguir isso pelo precinho camarada que é O Epicentro?! Então, dê um jeito e vá, né?!

Eu fiz um video sobre as quatro lições de vendas do filme Bohemian Rhapsody.

Assiste aqui: