Tudo é pessoal. Nunca é apenas negócios.

E aí, galera? Beleza? Aqui é o Jordão. Eu acredito que você já ouviu a seguinte frase de um cliente seu: “Jordão, não é nada pessoal. É só negócios. Eu vou comprar do seu concorrente, mas não é nada pessoal. Eu gosto de você, cara. É só negócios.” Essa é a maior mentira da paróquia. O cara vai comprar do outro e o cara comprou do outro porque ele não gostou de você, ele não gosta de você, ele não vai com a sua cara. Todas as propostas que você mandou para alguém que o cara não comprou de você, escolheu o seu concorrente, é porque ele não gosta de você. Bota isso na sua cabeça. A pessoa não gosta de você.

No mundo dos negócios, os Business to Business, a B2B ou B2C, a gente compra de quem a gente gosta. Você vai no restaurante que você gosta, mesmo se for um pouquinho mais caro. Você vai na pizzaria que você gosta. Você corta o cabelo no cara que você gosta. Você compra o carro que você gosta. Você casa com a mulher que você gosta. Você compra o sistema para a sua empresa de uma empresa que você gosta. É papo furado de vendedor Zé Mané e pangaré falar para mim que perdeu o negócio por causa de preço. Você perdeu o negócio porque o cara não gosta de você. O seu jeitinho Zé Mané de ser levou o cara a escolher o seu concorrente. Acorda para a vida! Você nunca perdeu por preço. Você sempre perdeu porque o cara não foi com a sua cara. Você entendeu?

Presta atenção nos detalhes que levam a pessoa a gostar de você. Entra agora na internet e googa a seguinte frase: ‘como fazer uma pessoa gostar de mim’. Vai procurar, cara, porque tem 150 mil artigos na internet sobre isso, sobre como fazer uma pessoa gostar de você. É uma coisa antiga, é uma coisa bíblica, vai ler para você pegar umas 25 ideias para você melhorar você para que as pessoas gostem mais de você.

Por exemplo, eu vou correr todo o dia. Eu faço o trajeto aqui e aí quando eu vejo que um cara está vindo cruzar comigo na pista, sabe o que eu faço? Eu cumprimento o cara antes. Eu já começo a olhar nos olhos do cara e eu dou bom dia antes. No elevador, eu dou bom dia antes para as pessoas. Eu dou bom dia antes para o porteiro. Eu não espero o cara me dar bom dia para eu dar bom dia. Eu não espero o cara perguntar se está tudo bem. Eu falo antes. Eu sou proativo, eu vou para cima. O que acontece? A pessoa gosta de mim.

Outra coisa, antes de aparecer na frente de qualquer cidadão na minha vida, eu me preparo. Eu vou encontrar o Zé Mané, diretor, CEO, CEMO, CEFO sei lá da onde, dos escambau, eu, antes de encontrar esse cara, eu me preparo. Eu escrevo cinco coisas que eu pesquisei sobre essa pessoa na internet e eu vou lá perguntar sobre as cinco coisas que eu pesquisei. Até o último minuto antes de eu entrar na sala com o cara, eu estou pesquisando a vida dele na internet. Porra, meu, a maioria das pessoas está na internet. Você consegue descobrir muito sobre as pessoas antes de aparecer na frente dela. E aí, o que acontece? Eu passo a impressão que eu estou preparado. Eu passo impressão que eu fiz a lição de casa. Eu passo a impressão que a conversa é personalizada tende o cara a gostar de mim. Entendeu? Deu para entender, cara?

Outra coisa: humor. Seja um cara bem-humorado. Leve tudo na esportiva. Quando alguém te detonar, leva na esportiva. Brinca com o cidadão. Põe humor na sua vida. Põe humor na sua vida, põe tesão na sua vida. As pessoas vão gostar mais de você, vão gostar mais do cara que leva tudo na boa, tudo na piada. Tudo no fundo é uma grande piada, a vida é uma grande diversão e a gente tem que levar tudo na esportiva. Entendeu? Deu para entender? Googa aí, meu: ‘como fazer uma pessoa gostar de você’.

Outra ideia que eu dou para você. As pessoas gostam das pessoas que escutam elas. Então, presta atenção no que o cara está falando. Para de pensar: “O que eu vou falar quando ele terminar de falar.” Presta atenção. Fica olhando nos olhos do cara e tenta acompanhar tudo o que esse cara está falando. Aí, para ele perceber que você escutou, pega a última frase que ele falou, muda a ordem das palavras e transforma em uma pergunta. O cara termina assim: “E aí, a minha empresa tem 45 funcionários.” Aí ele olha para você do tipo ‘é sua hora de falar’. Você pega e fala assim: “A sua empresa tem 45 funcionários? Em que departamento você tem mais funcionários?” Porque se você usar as palavras que ele acabou de dizer e transformar isso em uma pergunta, a mente da pessoa vai falar assim: “Esse cara escutou. Esse cara sabe me escutar. Esse cara presta atenção. Esse cara está interessado. Gostei desse cara.”

Enfim, as pessoas fazem negócios com as pessoas que elas gostam. Acredite nisso. Você não está perdendo por causa de preço e sim porque você pisa na bola no quesito gostar de você. Entendeu, meu amigo? Se liga nisso aí. Todos os negócios que você perdeu é porque as pessoas não gostam de você. Business é pessoal. Business não é business. Entendeu? É isso aí, galera. Vamos que vamos!

Assista agora o video de onde saiu essa transcrição: