Sobre uma coisa muito louca que aconteceu comigo.

E aí, galera… Beleza? Aqui é o Jordão!

O artigo de hoje é sobre uma coisa muito louca que aconteceu comigo, cara. Quero sua opinião sobre isso. Escreva aqui embaixo, seja lá onde você esteja vendo esse vídeo. Se você não sabe, tenho u canal no YouTube com mais de mil vídeos! 

No dia que começou o Epicentro – um evento que faço todo ano em Campos do Jordão –. Esse ano, começou na Pedra do Baú, combinei com a galera lá para a gente escalar o bauzinho. 

E era 3 horas da tarde, quando eu cheguei lá já tinha 60 pessoas me esperando. Baixei o vidro e falei:

“Ei, galera… Beleza? Cheguei. Vou estacionar e já volto”. 

Quando eu cheguei no estacionamento, os carros tudo em cima do outro, o negócio apertado e tal. Eu pensei:

“Porque está tudo apertado aqui? Tem outro estacionamento ali em cima…”

Aí eu fui com o carro no segundo estacionamento. Aí eu me liguei porque a galera estava toda espremida. Porque, na ora que eu entrei na estradinha para o segundo, tinha um tronco impedindo a passagem dos carros. Aí eu pensei:

“Alternativa A: vou voltar para trás e estacionar como todo mundo lá. Alternativa B: vou tentar tirar o tronco da estrada, para estacionar lá e liberar para mais gente”. 

O que eu fiz? Parei o carro na frente do tronco e com a maior calma do mundo, eu peguei aquele tronco. Na hora que eu levantei o tronco, eu escutei o barulho de uma árvore caindo. Quando eu olhei para trás, uma árvore enorme caiu em cima do meu carro. Destruiu todo o capô, os para-lamas, ferrou tudo, velho… O carro baixou, eu pensei assim:

“Porra, ferrou o motor, estourou as rodas, estourou os amortecedores… Ferrou!”

Eu fiquei olhando para aquilo ali… Eu pensei:

“O que tem a ver… Tô eu aqui, um carro, uma árvore no meio do nada. Porque essa árvore caiu em cima da capô do meu carro na hora que vai começar o Epicentro? O que eu faço agora, né? Reclamo da vida, da natureza, de Deus? Vou processar o parque? Que eu faço? Tenho 100 negos me esperando para dar uma palestra”. 

Eu tirei o tronco, tirei a árvore de cima do carro – o Maurício estava comigo –. O carro novinho estava todo detonado. 

Eu fui estacionar o carro no segundo estacionamento, começou a chegar gente, ninguém viu a frente do carro, e fui andando até a galera. Tinha 100 negos lá, todo mundo feliz, andamos 2 km falando sobre otimismo, mudança, a gente tem que ser foda etc. Quem estava comigo lá escreva aí. 

Escalamos a Pedra do Baú, dei uma palestra de 3 horas de duração falando sobre otimismo, sobre generosidade, coragem, vamos para as cabeças, inovação etc.

Voltamos 2 km andando… 

Aí todo mundo se dispersou. Aí fui pegar meu carro. Não foi um sonho. O carro está destruído mesmo. E aí, faltava meia hora para começar o happy hour que abre o Epicentro. Dei mais outra palestra de 3 horas.

Tinha umas 400 pessoas no bar lá. Conversei com todo mundo. Falei de coragem, generosidade, otimismo, criatividade e o escambau. 

Aí, quando fui pegar o carro umas 3 da manhã para ir embora, tinha 3 caras em frente do meu carro esperando o Uber. 

“E aí, caras. Beleza?”

“Ué, cara. O que aconteceu com seu carro?”

“O que você acha que aconteceu com meu carro?”

“A gente fez uma aposta aqui. Um achou que era um caminhão, outro achou que era batida e o outro achou que era uma árvore”.

“É, cara. Caiu uma árvore. Caiu lá na Pedra do Baú”

“Mas como assim, cara? Você estava dando palestra. Você nem falou nada”. 

“Não tem que falar nada, velho. Tem que fazer o negócio acontecer”. 

E aí fui pro carro detonado. Teve sábado, domingo, segunda, terça… Fiquei com o carro destruído 3 dias pensando como voltaria e tal.

Mas e daí, não é? Quando vi o negócio destruído pensei:

“Cara, é só um carro, não é? É só um carro! Tenho o evento, coisas para fazer. Vamos para frente, cara”.

O Epicentro, para quem não sabe, é sobre a gente mudar, sobre ganhar dinheiro, sobre se rebelar contra os caras que não deixam a gente crescer e ir para as cabeças, cara! O Epicentro é um evento que é para uma onda de otimismo. 

E aí, sempre que vai começar o Epicentro acontece alguma coisa assim. Parece uma força tentando me impedir de fazer o Epicentro. 

Que se dane! Pode cair a árvore que quiser, vou continuar fazendo, não estou nem para essas coisas. Se existe alguém falando mal de mim, querendo me detonar, que se dane! Eu sou protegido! Tenho uns 25 anos me ajudando.

Pode vir a força que seja, o cara querer me detonar não consegue me derrubar! Eu tenho uma blindagem!

Então, que lição pode se tirar disso? 

Sei lá, velho. Deixo para você… Escreve alguma coisa aí na área de comentários.

Só te falo uma coisa: quando acontecer uma coisa ruim com você, com as coisas que você tem, seu carro, sua casa… Velho, essas coisas são só coisas. Não é você. Você é você.

Essas coisas todas, que se dane! Vamos seguir em frente!

O importante é você estar bem, estar forte, estar comendo direito, estar beijando, estar apaixonado… É isso que importa, cara! Você!

Não precise de coisas! Só precise de você.

Escreva aí embaixo o que achou… 

O Vendedor Rainmaker está chegando! Se você quiser fazer meu curso e saber ter essa cabeça de ir frente, mesmo que uma coisa ruim aconteça. É tanta coisa que vou falar, tantos hábitos que vou te ensinar, que você vai acabar se blindando desse jeito. Porque, eventualmente, alguma coisa ruim vai acontecer com você.

Se você gostou deste artigo, continue acompanhando todo meu conteúdo pelo Instagram, YouTube e LinkedIn. E para aprender a vender direito, faça sua inscrição no meu curso de vendas, O Vendedor Rainmaker. Valeu? 

Abraço!

Assista o video para conhecer essa história muito louca.

Vai aqui:

E para saber como fazer tudo isso, venha fazer o meu curso de vendas O VENDEDOR RAINMAKER HARDCORE.

São 2 dias de curso.

Sábado e domingo.

No meu curso você VAI APRENDER a vender VALOR. Você vai aprender a vender sem ser chato. Você vai aprender a vender se diferenciando de todos os seus concorrentes.

Para saber mais sobre o RAINMAKER HARDCORE e fazer a sua inscrição clica aqui.

Te vejo lá!

ARREBENTA!