As lições de vida que Whiplash pode ensinar a você.

as-licoes-de-vida-que-whiplash-pode-ensinar-a-voce

as-licoes-de-vida-que-whiplash-pode-ensinar-a-voce
WHIPLASH… para começar… uma palavra… FO-DÁS-TI-CO!

FODÁSTICO!!

O que eu poderia esperar de um filme que tem o mesmo nome de uma das músicas mais QUEBRA TUDO do METALLICA?!!

WHIPLASH!!!

Você sai do filme com vontade de ser o MELHOR DO UNIVERSO em alguma coisa.

FILMAÇO!!!

WHIPLASH conta a história de um moleque que tem o sonho de ser o melhor baterista do planeta e do seu mentor que vai até as últimas consequências para fazer o potencial do moleque virar realidade.

J.K. Simmons, o ator que faz o professor “carrasco”, faturou o Oscar e o Globo de Ouro de Melhor Ator em 2015 com esse papel. O cara simplesmente DESTROI TUDO para “motivar” o moleque a desafiar os seus limites.

VOCÊ tem algum sonho sobre ser FODÁSTICO em alguma coisa?

Tipo, ser um INCRÍVEL empreendedor?

Ou um incrível designer?

Ou um incrível escritor?

Ou um incrível pai?

Ou um incrível jogador de futebol?

Para atingir um sonho desses você tem que praticar, treinar, malhar, torrar o crânio, virar noites, feriados, finais de semana, estudando detonando praticando a arte que você quer dominar.

Nada menos que isso interessa.

No filme o moleque dá um pé na bunda da namorada, um pé na bunda da família, um pé na bunda dos amigos, um pé na bunda de tudo mundo para FOCAR toda a sua energia para praticar bateria até o ponto de abrir feridas nas mãos e sangrar.

Cara, confere algumas frases FODÁSTICAS do filme:

Fletcher (o professor): “Não tem duas palavras mais prejudiciais na língua inglesa do que “Bom trabalho”.

É ISSO MESMO!

Ou você se dedica de corpo, alma e coração para ser algo incrível e inesquecível, ou vá para casa. A Vida é linda demais para ser vivida com mediocridade.

Fletcher: “Nieman, você ganhou o papel. Reservas, limpem o sangue da bateria por favor”.

Para incentivar o Andrew (o moleque) a ir além das suas possibilidades, Fletcher (o professor) chama outros bateristas para provocar o moleque com uma concorrência “saudável”, hehehe.

Ao se ver frente a concorrência, Andrew dobra os seus esforços para ganhar o seu espaço na orquestra do Fletcher.

É ISSO MESMO!

Se você se considera a última bolacha do pacote é porque você tem convivido com um bando de zé mané que sabem menos que você.

Junte-se a gente GRANDE!

Junte-se a pessoas tão FODÁSTICAS que a sua simples presença ao seu lado já detona a sua auto-estima.

Quem sabe assim você sai da sua zona do conforto.

Tá gordo e obeso? Arruma um amigo sarado para sair com você a noite.

Eu aposto que no dia seguinte você vai acordar super cedo para ir andar no parque.

Fletcher: “O meu trabalho consiste em motivar as pessoas a ir além do que é esperado delas. Eu acredito que esse tipo de trabalho é absolutamente necessário.”

É ISSO MESMO!!

ALGUÉM tem que falar a VERDADE para você.

ALGUÉM tem que ter a liberdade de colocar o dedo no seu nariz e dizer: “Jordão, você é uma porcaria! Você pode MUITO MAIS!! MUITO MAIS CARAMBA!!! Vamos ai!!! Você está proibido de levantar da cadeira até que eu veja um texto FODÁSTICO! VAMOS AI!!!

Você tem que nomear alguém para te empurrar ladeira abaixo ou escada acima.

Você pode MUITO MAIS caramba!!

WHIPLASH é FODÁSTICO DEMAIS!!

Olha esse diálogo…

Fletcher: “Eu acredito que as pessoas não entendem o que eu estava fazendo na Shaffer (a escola onde ele ensina música). Eu não estava lá para ser o maestro da banda. Qualquer idiota estúpido pode balançar os braços e manter os músicos dentro do tempo. Eu estava lá para empurrar os músicos a entregar algo que vai além da expectativa das pessoas. Eu acredito que isso é absolutamente necessário. Caso contrário, nós estamos privando o mundo do próximo Louis Armstrong. O próximo Charlie Parker. Eu já te contei sobre como o Charlie Parker se tornou o Charlie Parker?

Andrew: “Jo Jones jogou um prato de chimbal na cabeça dele.”

Fletcher: “Exatamente. Parker era um moleque que nem você. Um jovem muito bom no saxofone. MAS, durante uma sessão com Jones, ele pisa na bola na música e quase é decapitado com o chimbal. Todo mundo ri da cara dele. O que ele faz a seguir? Parker volta para casa e chora a noite inteira, mas na manhã seguinte ele pratica. E ele pratica, e ele pratica, e ele pratica com apenas uma meta na cabeça: nunca mais ninguém vai rir de mim. Um ano depois ele sobe no palco e toca o melhor solo de bateria que o planeta já escutou. Imagine se Jones tivesse dito: “Parker, você tocou bem hoje. Bom trabalho”. O que Parker pensaria de si mesmo? “Legal, eu fiz um bom trabalho hoje”. Fim da história. O mundo jamais teria conhecido Charles Parker.”

Eu preciso dizer alguma coisa???

WHIPLASH é FODÁSTICO!!!

E tem mais…

Andrew: “Mas qual é o limite de tudo isso? Qual é o limite de uma pessoa? Até onde você deve incentivar um cara a ir além dos seus limites para se tornar um Charles Parker?

A resposta é muito FODÁSTICA…

Fletcher: “Humm… um Charles Parker não tem limites. Um Charles Parker não chora quando alguém testa os seus limites”

É ISSO MESMO!!!

Um Charles Parker não tem limites.

Que tal agora pegar um cineminha?!!!

WHIPLASH!!!